Mario, como bem sei que aprecias os meus poemas, envio-te esses maltrapilhos versos, que versam sobre a Excelentíssima Mãe de Deus.

Solenidade de Maria, Mãe de Deus

Exalas perfumes, tu que és incensada
Vestida de branco-azul, te observo Mãe amada
Coroa na cabeça, de olhar inclinado
Aquela que é Mãe de Jesus, o Verbo Encarnado

Olha para teus filhos que padecem alterados
Pelas vertigens da vida, pelas maçãs desejadas
Pelos destinos temerosos por eles traçados
Por suas escolhas pecaminosas, por suas decisões nubladas

Comungo Jesus, por ti auxiliado
Nesse grandioso dia, eu me sinto completamente amado
Vai à frente, prepara o Gregoriano deste teu povo cansado
Abrindo caminhos, arruinando o malvado.

Deito a cabeça ao catre após essa festa interior
Sonho com suas rubras faces, me chamando de meu amor.
Oh doce mãe, trago em mim a melhor intenção:
Aparta de mim as trevas
Quero hoje dormir no seu coração.